VENDAS DA MANGO CRESCEM 15,3% EM 2015 IMPULSADAS PELA ABERTURA DE “MEGASTORES”

-          A empresa supera as suas previsões com uma faturação consolidada de 2327 milhões de euros

-          A cadeia consolida rapidamente o seu novo modelo de retalho e já conta com 164 Megastores, das quais 63 abriram em 2015

-          A superfície comercial aumentou em mais de 100 000 m2 no último exercício, atingindo um total de 804 500 m2

-          As vendas online cresceram 27% em comparação com 2014 e já representam 10,7% do total de vendas

-          O grupo criou 838 novos postos de trabalho diretos, aumentando, assim, a sua equipa para 16 625 colaboradores

-          O novo Centro Logístico de Lliçà d’Amunt entrou em funcionamento este ano

-          As flutuações de câmbio e as amortizações ligadas ao investimento efetuado nos últimos anos representam uma penalização de 100 milhões de euros no resultado do grupo, que apresenta um lucro de 4 milhões

 

Barcelona, 27 de maio de 2016 - A MANGO MNG Holding encerrou o exercício de 2015 com vendas de 2327 milhões de euros, o que representa um aumento de 15,3% comparativamente a 2014, ano em que as vendas atingiram um valor de 2017 milhões, crescendo 9,3%. Este aumento supera as expectativas iniciais, que previam um aumento de 13%. A chave para este crescimento nas vendas foi a consolidação progressiva do projeto de transformação comercial no qual o grupo investiu 1200 milhões de euros nos últimos três anos e que permitiu alargar a superfície de venda em mais de 300 000 m2 através da abertura de 164 megastores.

81% da faturação da MANGO foi resultado da atividade internacional e os restantes 19% resultaram do mercado espanhol. Em Espanha, onde proporcionalmente se concentra o maior número de megastores (25), a faturação cresceu 20,1%, o que vem confirmar a aposta neste novo formato de loja.

A MANGO continua a sua expansão nacional e internacional através do conceito megastore iniciado em 2013. Estes pontos de venda oferecem todas ou grande parte das linhas do grupo (Woman, Man e Kids), melhorando a oferta e a experiência de compra dos clientes.  Em 2015, a MANGO abriu 63 megastores, encerrando o ano com um total de 164. Entre os novos projetos, destacam-se as últimas flagship stores inauguradas na famosa avenida Corso Vittorio Emanuele em Milão, nas Ramblas em Barcelona ou em Henry Street em Dublin. Para 2016, prevê-se a abertura de 45 novas lojas. No final de 2015, a MANGO dispunha de 2730 pontos de venda em 109 países, com uma superfície de venda total de 804 500 m2, superior ao ano anterior em 100 000 m2.

A faturação das vendas online continuou a aumentar o seu peso relativo no conjunto do grupo e, no final do ano, já representava 10,7% do total de vendas. Mais concretamente, este canal atingiu um valor de vendas de 234 milhões de euros, mais 27% em comparação com o ano anterior. A loja online da MANGO está disponível em 83 países.  No ano passado, a expansão centrou-se na América do Sul, na Ásia e em África, com o intuito de completar a oferta de produto em países onde a marca já está estabelecida através de lojas físicas. Os últimos mercados nos quais a MANGO entrou incluem o Egito e a África do Sul, estando, assim, presente nos cinco continentes.

Durante o ano de 2015, a MANGO continuou a sua aposta numa estratégia omnicanal, que assenta no conceito de tornar o cliente num eixo de todas as iniciativas. Como prova disso, no ano passado quase 600 000 clientes levantaram as encomendas efetuadas através da Internet nas lojas físicas e foram efetuadas mais de 540.000 encomendas nas lojas físicas através do iPad.

Para satisfazer as necessidades de todos os canais de venda, a empresa concluiu a construção do novo Centro Logístico de Lliçà d’Amunt (Barcelona) que já se encontra em funcionamento e, quando estiver em pleno funcionamento, empregará mais de 400 pessoas. Em 2015 o grupo criou 838 novos empregos a nível mundial. Destes, 35% foram criados em Espanha. Atualmente a MANGO conta com um total de 16 625 colaboradores em todo o mundo.

O crescimento nas vendas ainda não representa um aumento da rentabilidade. O impacto de algumas flutuações de câmbio, especialmente do dólar, e o aumento das amortizações ligadas com o investimento tiveram um impacto nos benefícios do grupo, que terminou o ano com um lucro de 4 milhões de euros em comparação com os 107 do ano anterior. Mais concretamente, ambos fatores tiveram um impacto de 100 milhões de euros na empresa. As flutuações de câmbio representaram um impacto de 70 milhões de euros e as amortizações 30 milhões de euros.

O EBIDTA da MANGO MNG Holding situou-se nos 170 milhões de euros face aos 223 milhões atingidos no ano anterior. No que diz respeito às amortizações, a empresa  con 24.000 metros aadodirectos.

o un aumento de costes de otros 30 millones.os 70 millones efetuou um esforço de investimento que, para além da transformação na rede de vendas, inclui a colocação em funcionamento do novo centro logístico de Lliçà d’Amunt.

Transformamos o nosso modelo de negócio para que seja muito mais atrativo aos olhos do cliente e para ganharmos a sua confiança. Está planeada uma aposta no crescimento em detrimento de benefícios a curto prazo e esta irá traduzir-se numa maior rentabilidade nos próximos anos. Contamos com a melhor equipa para colocar este plano em marcha”, assegura o vice-presidente executivo da empresa, Daniel López.

A MANGO nasceu em 1984 e, hoje em dia, é um dos principais grupos de moda do mundo. Com origem e sede central em Barcelona, esta empresa contava no final de 2015 com uma extensa rede de mais de 2730 lojas em 109 países, das quais 1567 em regime de franchising. A partir do seu Centro de Design “El Hangar”, em Palau-solità, desenham-se todos os anos mais de 18 000 peças e acessórios que acompanham as tendências da estação a preços acessíveis. A empresa, que detém as linhas Mango Woman, Man, Kids e Violeta, encerrou o ano de 2015 com vendas de 2327 milhões, o que representa um aumento de 15% relativamente a 2014.