A MANGO UNE-SE À FASHION INDUSTRY CHARTER DAS NAÇÕES UNIDAS NO ANIVERSÁRIO DO FASHION PACT

O uso de fibras sustentáveis e a redução do uso do plástico são duas das prioridades da empresa

A Mango celebra o primeiro aniversário da adesão ao Fashion Pact, ano em que a empresa conseguiu avançar nos objetivos sustentáveis traçados.

Neste primeiro ano, além de cimentar as bases comuns para poder avançar em conjunto, o Fashion Pact tem estado a dedicar os seus esforços a trabalhar nos objetivos estipulados em dois dos seus três pilares: a luta contra as mudanças climáticas e a proteção dos oceanos.

Foi precisamente na secção de luta contra a mudança climática que a Mango assinou, no passado mês de outubro, a Fashion Industry Charter das Nações Unidas, a Carta da Indústria da Moda para a Ação Climática que engloba 16 princípios para que a moda avance de forma conjunta na redução do impacto da indústria nas mudanças climáticas. Estes princípios, focados no combate às mudanças climáticas, estão relacionados com o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa nas instalações, na cadeia de abastecimento, na logística, entre outros.

De acordo com Beatriz Bayo, diretora de RSC da Mango, “este acordo é uma demonstração clara de que a indústria da moda está comprometida em atuar coletivamente contra as mudanças climáticas, um exemplo de compromisso do sector, imprescindível para enfrentar a magnitude do desafio climático.”

A Fashion Industry Charter das Nações Unidas inclui o objetivo de reduzir em 30% as emissões de gases de efeito estufa até 2030. Por isso, a Mango está a realizar uma análise ao pormenor da sua pegada de carbono, o que lhe permitirá estabelecer objetivos com base científica (SBTs Sciente-Based targets) ao longo de 2021 e elaborar o plano correspondente para a redução das suas emissões.

Projetos iniciados pela Mango

Outro compromisso da empresa é o de priorizar o uso de materiais que têm menos impacto ambiental. Neste sentido, a Mango anunciou, no início do ano, a sua intenção de aumentar a proporção de fibras sustentáveis nas suas coleções e, por isso, estabeleceu o objetivo de usar 100% de algodão de origem sustentável nas suas peças antes de 2025. A empresa prevê, ainda, aumentar o uso de poliéster reciclado nas suas peças, tendo o propósito de aumentar até 50%, antes de 2025, e que 100% das fibras celulósicas usadas tenham uma origem controlada antes de 2030.

Em paralelo, e com o objetivo de avançar no pilar da proteção dos oceanos, a Mango iniciou recentemente um projeto de substituição dos sacos de plástico do seu packaging por sacos de papel. Trata-se de eliminar, progressivamente e em colaboração com os seus fornecedores, todos os sacos de plástico que são utilizados para distribuir os produtos ao longo da cadeia de abastecimento, cerca de 160 milhões de sacos de plástico por ano. A Mango é a primeira grande empresa do sector têxtil, em Espanha, a levar a cabo esta ação.

Todas as fotos publicadas em press.mango.com poderão ser usadas apenas para fins editoriais e não comerciais. Para qualquer outro fim, incluindo o seu uso em capas, é necessário obter uma autorização por escrito do Departamento de Relações Públicas da Mango em press@mango.com.