A MANGO ATINGE OS 41 MILHÕES DE EUROS DE LUCROS BRUTOS APÓS ALCANÇAR O SEU REGISTO HISTÓRICO DE VENDAS, 2374 MILHÕES DE EUROS

As vendas crescem 141 milhões, 6,3% em comparação com 2018, e são as mais elevadas da história da empresa.

O EBITDA aumenta 43,7%, passando de 135 para 194 milhões.

Pelo terceiro ano consecutivo, a Mango corta a sua dívida financeira líquida, reduzindo-a para os 184 milhões de euros.

As vendas online cresceram a um ritmo de 26,7%, alcançando 564 milhões de euros, e já representam 23,7% da faturação total do grupo.

O investimento anual foi de 58 milhões de euros e grande parte deste valor foi usado para acelerar a transformação digital da empresa.

A Mango acelera o seu plano de sustentabilidade: assina o Fashion Pact e adere à Sustainable Apparel Coalition.

Mais de 3 milhões de clientes ativos no novo clube de fidelização desde o seu lançamento, em Espanha e França.

Barcelona, 12 de março de 2020 - A MANGO/MNG Holding encerrou o exercício de 2019 com vendas de 2.374 milhões de euros, o valor mais alto da história da empresa. As receitas cresceram 141 milhões, representando um aumento de 6,3% em comparação com os 2.233 milhões faturados em 2018 e superam em 47 milhões os valores alcançados em 2015, que constituíam, até ao momento, o melhor registo histórico de vendas.

Este aumento nas vendas tendo vindo a ser acompanhado por uma melhoria significativa da rentabilidade. O EBITDA da Mango cresceu 43,7%, passando de 135 para 194 milhões de euros e acumula um crescimento próximo dos 120 milhões nos últimos três anos. A empresa obteve um resultado bruto de 41 milhões.

Segundo o administrador delegado da Mango, Toni Ruiz: “2019 foi um ano extraordinariamente satisfatório, no qual alcançámos o maior número de vendas da nossa história e conseguimos o maior aumento de lucros num exercício. Os excelentes números são o resultado do esforço e do grande trabalho de todos nós que fazemos parte da Mango e que nos permitem continuar a construir a empresa que queremos ser no futuro”.

Ao mesmo tempo, a Mango continuou a reduzir a sua dívida bancária. Em apenas dois anos, conseguiu reduzir a sua dívida financeira líquida de 415 para 184 milhões. Em concreto, a redução do ano passado foi de 131 milhões de euros. “A nossa situação financeira é a melhor que tivemos em muitos anos. Hoje somos capazes de reembolsar toda a nossa dívida com o que a empresa gera num ano. O nosso objetivo é continuar a reduzi-la, mas sem abrir mão dos projetos que aumentam a nossa rentabilidade”, afirma Ruiz.

Em relação à distribuição da faturação por zonas geográficas, a atividade internacional do grupo manteve-se nos 77% do total e o mercado espanhol, o primeiro mercado em vendas, em 23%. Por linhas de negócio, Man, Kids e Violeta representam 18% das vendas. Foi bastante significativa a evolução da coleção de homem, que cresceu acima dos 20% em 2019 e ultrapassou os 200 milhões de euros em faturação.

As vendas online aumentam 26,7% e as vendas nas lojas físicas crescem

Em relação às vendas online, a faturação aumentou 26,7%, até alcançar os 564 milhões de euros, o que representa um aumento de 119 milhões, valor superior ao objetivo estabelecido para o ano. Em termos relativos, as vendas online representaram 23,7% do total da faturação da empresa. Face aos próximos exercícios, a Mango considera que continuará a obter um crescimento superior a 20%.

Para dar resposta de forma mais rápida e eficiente às vendas online, o grupo possui atualmente dez armazéns logísticos espalhados pelo mundo. Além disso, o projeto de expansão do novo centro de logística em Lliçà (Barcelona) acompanhará o crescimento do e-commerce, conforme foi anunciado no passado mês de novembro.

Em 2019, o site da Mango excedeu 600 milhões de visitas, das quais cerca de 80% foram feitas através de dispositivos móveis. A empresa continuou a investir na melhoria da navegação e da usabilidade em todas as plataformas (desktop, Apps e mobile). Houve também um avanço significativo na melhoria e rentabilidade do marketing digital, personalizando a experiência de navegação e de compra ao integrar os dados de mais de 20 milhões de clientes disponíveis no CRM, alcançando um maior relevo nas comunicações com os clientes e, ao mesmo tempo, obtendo uma maior eficiência nos investimentos.

Por outro lado, as vendas nas lojas físicas da Mango tiveram um excelente desempenho em 2019, alcançando um crescimento de 5,5% em vendas comparáveis, o que constituí um dado bastante positivo, tendo em consideração a evolução do mercado. Para além disso, o like for like consolidou as vendas físicas e online e cresceu por cima dos dois dígitos nos principais mercados da empresa.

Ao longo de 2019, a Mango continuou a reorganizar a sua cadeia de lojas para adaptá-la às novas necessidades, contudo a superfície de vendas permaneceu bastante estável. Em números absolutos, a empresa encerrou o exercício com 2188 lojas, mais 5 do que no ano anterior e com uma área de vendas de 803 000 m2, menos 1% do que em 2018.

Um forte compromisso com a sustentabilidade

A Mango está a acelerar o seu compromisso com uma moda mais sustentável, um dos objetivos estratégicos da empresa. Em 2019, aderiu ao Fashion Pact, uma coligação global constituída por mais de 300 empresas e marcas que pretende fomentar a sustentabilidade ambiental dos sectores têxtil e de moda. E, há apenas algumas semanas, a Mango comunicou a sua integração na Sustainable Apparel Coalition, uma organização líder no sector têxtil que visa promover as boas-práticas na cadeia de abastecimento e medir o impacto ambiental.

Da mesma forma, a Mango lançou novas iniciativas de sustentabilidade, como o aumento da proporção de fibras sustentáveis nas suas coleções, sendo de destacar que 100% do algodão usado terá uma origem sustentável antes de 2025.

Multicanal e fidelização

A Mango continua a focar a sua estratégia no cliente Por isso, reforçou os seus investimentos no desenvolvimento de projetos multicanal que garantem a melhor experiência de compra para o cliente, independentemente do canal em que este decida interagir com a marca.

Um elemento essencial para compreender melhor as necessidades dos clientes é o programa de fidelização Mango likes you, lançado nos meses de abril e maio do ano passado em Espanha e em França, respetivamente. Os resultados obtidos até o momento excedem em muito os objetivos iniciais e já há mais de 3 milhões de clientes ativos no programa, nos dois países. Todo o conhecimento obtido através do programa é partilhado entre os departamentos da empresa, o que permite acelerar a orientação para o cliente de todas as equipas, para além de ajudar a dar prioridade às iniciativas de acordo com o nível de impacto que exercem na experiência do cliente.

Além disso, foi também expandido o serviço Click and Collect (que utiliza o stock da própria loja), que estará disponível em mais de 500 lojas no primeiro semestre de 2020. Graças a este serviço, as compras online podem ser entregues com muito mais rapidez e sustentabilidade, pois evita o movimento de mercadorias entre o armazém online e a loja de entrega selecionada pelo cliente.

Ao longo de 2019, a Mango continuou também a avançar no desenvolvimento do projeto RFID. O teste piloto realizado em algumas das suas lojas, em Espanha, está a cumprir amplamente com os objetivos estabelecidos. Por este motivo, a empresa irá implementá-lo em toda a cadeia nos próximos 3 anos. A tecnologia RFID oferece uma melhor visibilidade e rastreabilidade dos stocks. Graças a isto, a sua implementação otimizará os serviços e iniciativas multicanal e também acelerará a orientação da empresa para tomar decisões com base nos dados recebidos em tempo real.

Consolidação da equipa e transformação digital

Os bons resultados da Mango e a recente nomeação de Toni Ruiz como administrador delegado consolidam-no como o primeiro executivo da empresa, com a responsabilidade de administrar um Comité de Gestão composto por 10 executivos. Este órgão de administração é responsável por dar continuidade ao aprofundamento e à transformação digital na qual a empresa está imersa. Com este objetivo, durante o ano passado, a empresa alocou grande parte dos 58 milhões de euros investidos.

Neste processo de transformação, uma peça fundamental é o hub que a Mango detém no distrito 22@, em Barcelona, onde durante o último ano a equipa passou de 20 para 50 pessoas. Neste centro trabalham engenheiros de perfil tecnológico para garantir a conformidade com alguns dos projetos mais importantes do negócio online, do departamento de clientes e do multicanal.